A importância das cores na comunicação visual!


Toda comunicação visual transmite sensações. Para aumentar as chances de sucesso, nós precisamos saber que tipo de sensações queremos produzir com o material. É aí que entramos, também, com a teoria das cores.

Sabemos que a cor é assimilada pelo ser humano por meio da visão. Entre os nossos sentidos, a visão é a que passa a informação mais rápido para o cérebro. É importante saber que, ao escolhermos uma cor para trabalhar, estamos lidando com um elemento que estimula o nosso cérebro, que é um processador de informações. Por isso, a escolha da cor é muito importante, pois esse estímulo visual causado pode ser tanto positivo quanto negativo. Cuidado!

Dicas:

Se eu pudesse dar uma dica para você escolher a sua cor, diria para não arriscar muito e buscar referências. Outra coisa, é sempre bom usar poucas cores, com paletas parecidas que combinam e conversam entre si e sempre que possível respeitar os significados de cada uma, sim, isso mesmo, cada cor tem um significado. Seguem abaixo os significados de algumas cores e o impacto psicológico que elas podem causar.

61e880491d683eb02973bd011d8a87c9

Um exemplo que deixa claro a importância do uso das cores vem do McDonald’s. Quase tudo lá dentro possui cores quentes, como vermelho, amarelo e laranja, isso é tudo proposital, pois se trata de uma rede de fast-food, onde o intuito é vender e fazer o cliente comer e logo sair. Você não consegue ficar muito mais que 30 minutos dentro de um ambiente assim, somos obrigados a ficar olhando para essa cores que nos causam calor, ansiedade, angústia, até você não aguentar mais e ir embora.

Se você já sabe que tipo de sensação quer transmitir, mas ainda tem dúvidas em relação ao tom da cor ou qual paleta usar, não se preocupe, pois existem vários sites e blogs que combinam cores para manter uma simetria e aparência visual bonita. Podemos usar esses sites como referência e inspiração. Veja uma referência legal para atingir essa combinação desejada: AQUI

Essas são apenas algumas dicas que pensei que podem auxiliar você a identificar a paleta de cores ideal para a sua comunicação. Fique atento às dicas, pense sempre na sensação que deseja transmitir, escolha as cores usando as referências e sucesso nas criações! Ah, se precisar de ajuda, fale com a gente!

Por: Raphael Richard

 

Leia com atenção e pense antes de começar


Quantos e-mails recebemos por dia?

De clientes, líderes, colegas, fornecedores.

A respeito de briefings, correções, emendas, refações, aprovações, orientações, reuniões etc.

Fora o que chega por outros meios, de mensagens de celulares a solicitações pessoais ou por telefone.

Ainda que tenhamos muita coisa pra resolver e pouco tempo, é preciso “ler” com atenção antes de “sair fazendo”.

ler-entenderEsta aí uma das sacadas mais importantes: entendermos, e não ter tanta pressa para começar o trabalho. Esse é uma forma de sermos mais produtivos, organizados e felizes.

Veja o que acontece muito em rede social. Fulano curte ou comenta um post sem mesmo ler o material completo, muitas vezes só pelo título ou chamada já tece uma opinião. Às vezes, acontece de uma pessoa falar mal sem ao menos ler a matéria à qual o link leva. Daí, ela interpreta a informação de forma rasa, devido à análise incompleta que fez, e é capaz de ir contra a algo ou alguém que na verdade a favorecia.

Esse é um aprendizado pra usar sempre. #DicaDaRedação

Por Rodrigo Rezende

Aqui na Cadaris tem pokemon


Carrossel-da-Home

É fácil, é muuuuito legal e qualquer um pode jogar. Talvez esses sejam os três motivos principais que fizeram o jogo Pokemon Go viralizar em todo mundo. A Nintendo, que possui alguns direitos de Pokémon e uma fatia de participação na desenvolvedora do jogo, Niantic, teve o valor de suas ações dobrado nas duas semanas após o lançamento do jogo, o que adicionou US$ 12 bilhões ao valor de mercado da empresa.

Antes de se posicionar a favor ou contra, conheça os benefícios e os malefícios do jogo.

TABELA

Para quem nunca jogou e quer saber como funciona, aqui vai um tutorial, preparado especialmente para quem não tem tanta familiaridade com games de realidade aumentada ou pokemons.

Minha caça pokemon começou às 7h20 na Agência Cadaris.

pokemongo_1

pokemongo_2

pokemongo_3

pokemongo_4 pokemongo_5 pokemongo_6

pokemongo_7 pokemongo_8

pokemongo_9

Aqui na Cadaris, nós temos a mente aberta. Tem gente que não vai nem tentar e outros que já vão virar meus concorrentes diretos. Let’s Catch, Let’s Rock! #pokemongo #letsrock #letscatch

 

Poupe tempo, pegue um atalho


O tempo é uma das coisas mais valiosas que temos. Isso nem precisa explicar, mas vamos pensar um pouco sobre isso. Será que podemos enganá-lo e usá-lo a nosso favor? Sim. Basta usar o atalho!

Por exemplo, ver a previsão do tempo e saber como você vai sair vestido de casa, consultar o Waze para saber o caminho mais rápido, descer de escada em vez de esperar o elevador. Coisas simples do nosso cotidiano, mas que são nossos atalhos do dia a dia para buscar tornar tudo mais fácil e prático.

Aqui na agência, é muito importante saber administrar o tempo para que o resultado do trabalho seja significativo. E é nessa hora que o atalho é indispensável. Além de você ter o conhecimento sobre as funções dos softwares que você usa todo dia, o atalho é fundamental para o seu desempenho.

A gente poupa tempo executando e converte esse ganho em descobrir coisas novas, pensar melhor no job em questão, avaliar o cenário… e, claro, dá pra fazer um almoço mais tranquilo pra mente.

Poupe-tempo-pegue-um-atalho

Veja AQUI para conhecer os atalhos mais usados dos principais programas que a área de criação mais utiliza.

Aliás, você sabia que nos programas também dá para criar seus próprios atalhos? Tipo quando a gente muda o caminho e chega mais rápido do que o Waze estava prevendo ;)

Se quiser saber mais, é só perguntar!

Por Maurício Trentini Stoppa

Você sabe o que é lead?


Se todo projeto bom começa com um bom briefing, podemos dizer também que quase todo texto e quase todo relacionamento (com clientes ou consumidores) começa com um bom lead!

post-leadLead é uma palavra inglesa que tem vários significados. Entre eles, como verbo, significa ‘guiar’ ou ’conduzir’, e é exatamente o que ele faz, tanto no jornalismo quanto no marketing.

Em jornalismo, o lead é o primeiro parágrafo da matéria, que tem uma espécie de resumo da história ou notícia. Ele ‘guia’ a leitura e responde a perguntas essenciais: Quem? O quê? Como? Quando? Onde? Por quê?

Quem o escreve deve incluir a informação principal, incluindo dados que respondam a essas perguntas, ou pelo menos parte delas, sobre o fato apresentado.

Já em marketing, o resumo de informações é referente ao cliente. Ele deve reunir o essencial sobre a pessoa ou a empresa que se está criando o relacionamento, como nome, cargo, telefones e email, ramo de atividade, endereço, horário para contato, principal interesse ou necessidade, etc. Ele guia o relacionamento e, sobretudo, o primeiro contato.

Em CRM (gestão de relacionamento com clientes), usa-se o termo especialmente para prospects, ou contatos potenciais. É aquele cara com quem você ainda não está familiarizado, mas pode se aproximar até ‘convertê-lo em conta’, ou seja, num cliente efetivamente com relacionamento mais próximo.

Há várias estratégias de lead, ainda mais no planeta agência, onde trabalhamos com toda essa linguagem. Seja em repostagem (jornal, revista e materiais corporativos) quanto em marketing.

Quer conhecer essas estratégias? Mande uma mensagem pra gente! Topamos um café, um almoço ou até mesmo fazer uma palestra ou treinamento na sua empresa para contar mais sobre isso! (;

Jargões do universo publicitário


blog

Existem palavras diferentes que, caso você fale fora do seu ambiente de trabalho, poucas pessoas vão entender ou então entenderão com um significado bem diferente. Se você as utiliza em sua rotina de trabalho, já sabe do que estou falando. São os chamados jargões.

Profissionais de diversas áreas utilizam vocabulários mais específicos para se comunicarem no ambiente de trabalho. O dia a dia em agências é recheado por termos e expressões, grande maioria em inglês e que não traduzem fielmente o que queremos dizer. Para que todos entrem nesse universo publicitário, separamos alguns dos mais utilizados:

Arte: É um termo utilizado frequentemente no ambiente publicitário e refere-se a toda e qualquer ilustração utilizada para compor uma peça, e por fim chegar ao estágio de “arte-final”.

Brainstorming: Técnica de dinâmica de grupo desenvolvida para explorar a potencialidade criativa dos indivíduos no menor tempo possível, ou seja, troca de ideias.

Briefing: Todas as informações necessárias para realização de uma determinada ação. Em sua tradução literal significa “resumo”, mas no meio publicitário representa a base do processo de planejamento.

Case: Estudo de caso, uma história marcante, geralmente sobre resultados de sucesso, relacionada a uma marca, uma campanha ou ação.

Deadline: O prazo final estabelecido para a conclusão de tarefas.

Feedback: Com objetivo de aperfeiçoar e avaliar o desempenho de equipes e pessoas, o termo é utilizado no sentido de retorno, seja de um cliente, chefe ou colegas de trabalho. A ideia é dar e receber opiniões, críticas, elogios e sugestões em relação a assuntos profissionais.

Layout: Esboço ou desenho que destaca os vários elementos de uma peça publicitária de mídia impressa, ou seja, elaboração prévia de uma arte final.

Networking: Rede de contatos.

Slogan: Frase-tema de uma campanha ou marca, que procura resumir e definir seu posicionamento.

Teaser: Mensagem curta geralmente usada para provocar a atenção do público em relação a uma ação publicitária. Pode tanto criar suspense quanto antecipar informações sobre a estratégia.

E na sua área? Existem jargões bastante utilizados?

Fonte: ImpactaPlugcitários

4 filmes relevantes para profissionais da área de comunicação


O-Mercado-de-Notícias

Cena do documentário O mercado de Notícias
Imagem: Reprodução

Há filmes, de longa ou curta metragem, que retratam diversas facetas do universo da comunicação. Seja o ambiente em que os profissionais trabalham, desafios da profissão e até mesmo situações adversas que ocorrem na rotina do profissional. Mostraremos alguns deles que abordam, direta ou indiretamente, determinados fatores da área:

O mercado de notícias: O documentário, dirigido por Jorge Furtado, conta com depoimentos de 13 jornalistas e apresenta uma proposta em que o autor mescla as entrevistas com a encenação The Staple of News, de Ben Jonson. Além de nos apresentar fatos, histórias, contradições e aspectos envolvidos nas produções jornalísticas, o documentário nos proporciona diversos questionamentos a respeito do jornalismo. O Mercado de Notícias pode ser uma boa introdução às práticas do cenário jornalístico. E, positivamente, o autor trata o jornalismo sem o intuito de romantizá-lo ou demonizá-lo para o público.

Do que as mulheres gostam: No filme produzido e dirigido por Nancy Meyers, Nick, é um publicitário machista, que se sente ameaçado quando Darcy, uma mulher capaz de realizar anúncios publicitários assim como ele, preenche o cargo de diretora de criação. A partir daí, começa todo o desenrolar da história. O filme nos traz questões importantes a serem analisadas no marketing como, a importância de conhecer e compreender o pensamento do seu público e, também, ouvir seu cliente e melhorar o relacionamento com ele.

O abutre: O personagem principal do filme, Lou, depara-se com o universo, até então desconhecido por ele, dos cinegrafistas freelancers que fornecem notícias para o jornalismo sensacionalista. Embora não tenha um conhecimento técnico sobre o assunto, Lou se dedica a explorar tudo o que pode sobre a profissão. O longa, dirigido por Dan Gilroy, levanta uma importante discussão sobre os limites éticos na busca por audiência, questiona o jornalismo sensacionalista e retrata também a concorrência entre freelancers.

O quarto poder: A narrativa do filme aborda questões éticas acerca do jornalismo. A manipulação dos fatos e o monopólio da cobertura são algumas das temáticas que o filme, de Costa Gavras, levanta. Na obra, por exemplo, apenas um jornalista reporta sobre os fatos, o que, consequentemente, limita a reportagem a uma única visão. A obra proporciona reflexões relevantes sobre o poder da comunicação na sociedade e também a falta de ética presente em alguns meios de comunicação.

Texto: Natália Koyama

Por que o Google investe para entender o que buscamos


No último sábado ao acordar, entrei no Yahoo para buscar mais informações sobre o ataque terrorista de 13/11, em Paris. Este é o buscador padrão do iPhone e é automaticamente acionado quando digitamos os termos da pesquisa na barra de navegação do Safari. Ao digitar “paris”, o Yahoo exibiu, na primeira página, apenas informações turísticas.

yahoo_paris

Refinei a busca acrescentando “ataque terrorista” ao termo “paris”. Na primeira página, o Yahoo exibiu três menções relacionadas ao evento do dia 13, a de um jornal pernambucano, a de um portal paranaense e a de um site de Ronônia. As demais citações referiam-se ao atentado contra o jornal Charles Hebdo, de janeiro de 2015, que ganhou grande relevância na rede com a hashtag #jesuischarlie.

Yahoo_paris-ataque_1

Realizei as mesmas buscas pelo Google; primeiramente com “paris” e depois com “paris ataque terrorista”. Vejam abaixo os resultados da primeira tela, antes de qualquer rolagem.

google_paris_1

Agora mesmo, antes de publicar este artigo, refiz a pesquisa em ambos os buscadores. Para o termo “paris”, o Yahoo continua exibindo apenas informações turísticas.

Como profissional de publicidade, acredito que nenhuma hegemonia midiática é positiva, porém precisamos de opções próximas em eficácia e relevância. Estamos com duas campanhas-teste similares de links patrocinados no Google e no Yahoo, para um cliente da área de estética. Mês que vem eu volto para compartilhar os aprendizados.

 

Google quer saber nossa intenção

Ontem, o Google anunciou mudanças no algoritmo de busca que visam responder a perguntas mais complexas, como por exemplo ”Quem era o presidente dos Estados Unidos quando os Angels ganharam o World Series?” Veja abaixo como funciona.

google_algoritmo

Para mais infos: http://olhardigital.uol.com.br/noticia/algoritmo-do-google-pode-entender-a-intencao-por-tras-das-perguntas/53040 

Como conquistar muitos seguidores nas mídias sociais?


 

Post

A pergunta que abre o título deste post pode resumir a dúvida de muita gente quando o assunto e conquistar seguidores. E apesar de haver várias dicas por aí (algumas até complexas) a resposta é bastante simples: dedicação.

Como social media, posso dizer com certeza que não é da noite para o dia que você vai conseguir milhões de seguidores. A conquista vem aos poucos. O primeiro passo? Sempre se manter informado sobre tudo que está rolando nas redes sociais.

Posts sobre assuntos que estão rolando no momento têm muito mais chances de dar um bom engajamento do que um outro que fala sobre coisas antigas. Claro que não é todo dia que vai surgir um assunto legal, mas é preciso saber aproveitar, colocar seu estilo no texto na hora de abordar o assunto, assim não fica tão genérico.

O segundo passo é interagir com o público. Perguntar a opinião das pessoas que te seguem é uma maneira de você se aproximar deles, o que é fundamental. Com esse contato mais pessoal, os usuários acabam chamando novos usuários pra te seguir. E o que é essencial: eles passam uma boa imagem da sua rede social para os futuros seguidores.

Se você está começando agora ou já está a algum tempo tentando fazer seu canal ou blog decolar, meu conselho é: não desista. Perseverança é a chave do sucesso.

Salão Duas Rodas 2015 e o poder da pesquisa de campo


02_E-marketing

Uma das partes fundamentais para o desenvolvimento de um novo projeto é a pesquisa. Este será o primeiro passo para chegar aonde todos querem: cliente satisfeito com seus objetivos alcançados e agência feliz e orgulhosa com o bom material que desenvolveu. A história da Cadaris com o Salão Duas Rodas (SDR) está dentro deste contexto.

Desde o início, em outubro de 2014, este trabalho cativou a equipe. Uma concorrência baseada no conceito criativo vindo de uma só palavra: liberdade. O diferencial que definiu a agência ganhadora (no caso, nós. Uhuu!) foi a base na qual estava fixada a ideia. Ou seja, a mensagem que pretendíamos passar por meio do slogan que criamos.

Para construir um storytelling de acordo com a experiência oferecida pelo SDR – tanto para quem busca de novos negócios quanto para apaixonado por motos e afins – fomos à fonte. Conversamos com motociclistas para entender o que significa liberdade neste universo e funcionou bem.

Com o slogan “O Mundo em Suas Mãos” demos andamento a todo o projeto que abrangeu tanto arte quanto texto nos materiais impressos da feira (de divulgação e exposição) e on-line, incluindo mídias sociais e-mail marketing.

Com uma linha conceitual muito bem traçada, o maior desafio foi conseguir adaptá-la à realidade dos três públicos do SDR: expositores, trade (varejo) e o motociclista. Tudo isso somado ao longo período de campanha: um ano de trabalho em parceria com o cliente até a realização do evento, passando pelas fases de vendas de espaço para expositores, convite para os varejistas e venda de ingressos para o grande público.

Segundo Fred Pimenta, nosso diretor de arte, apesar da agência já ter trabalhado com muita coisa grande, esta foi a primeira vez que encarou uma campanha que durou um longo período, o que exigiu ainda mais criatividade. “Em cima do conceito já muito bem estabelecido, tivemos de trabalhar em novas ideias para não ‘cansar’ o público com as mesmas peças”, conta.

Novas propostas de materiais foram surgindo ao longo do caminho e neste percurso surgiram novidades. Uma das coisas foi a criação de roteiro de spot para propagando em rádio e TV, trabalhado pela agência pela primeira vez. Para assistir, clique aqui.

E para ver um pouco mais dos materiais produzidos para o SDR 2015, acesse o Facebook da feira: facebook.com/SalaoDuasRodas.