• .
  • .
  • .
  • .
  • .

Em clima de tapete vermelho


O Oscar já acabou, mas o clima de tapete vermelho continua a todo vapor nas redes sociais. Então, vou aproveitar essa deixa pra falar um pouco sobre quatro dos filmes indicados a melhor do ano (entre eles, o vencedor). Vamos lá?

whiplash  Whiplash – Em busca da perfeição

Mais do que um filme sobre música, este é um filme sobre determinação e foco com a intenção de alcançar os objetivos. A dupla principal tem um ótimo entrosamento e desempenho que levam o longa a um patamar superior.

J.K. Simmons, vencedor na categoria Ator Coadjuvante, dá um show de interpretação como o professor sem limites (demais!). Principalmente na cena final do “duelo” que, particularmente, achei excepcional (parece o desenrolar de uma canção de ópera com um ápice belíssimo).

Mas, apesar das boas atuações, acho que o filme poderia ter explorado um pouco mais as histórias individuais de cada personagem e não ficar tão focado apenas “na bateria”.

Vale a pena assistir, nem que seja só pra apreciar a interpretação intensa do grande J.K. Simmons.

Na escala de 1 a 5 Let´s Rocks, leva 4 guitarrinhas!

 

sniper Sniper Americano

Este aqui é um daqueles longas do tipo bem americano, sabe? De guerra, superclichê, baseado em história real. Mas, mesmo assim, considero-o um bom filme.

Acho que a grande diferença deste para os demais filmes, que tratam do mesmo assunto, é que ele não fica restrito apenas aos momentos tensos das (quase reais) cenas de guerra. Ele vai além e mostra, com delicadeza, os conflitos nas relações interpessoais. Neste ponto, mérito do diretor Clint Eastwood, que soube amarrar muito bem a história, e do ator Bradley Cooper, que brilhou o tempo todo.

A trama me prendeu tanto, que nem achei cansativas as longas 2h12 de filme (sério, nem percebi os minutos passarem). Mas, mesmo com todos esses pontos positivos, não acho que Sniper Americano merecia ter ficado entre os oito indicados a melhor filme. O Abutre (já falei sobre ele aqui!), por exemplo, teria ocupado esta colocação com muita justiça.

Na escala de 1 a 5 Let´s Rocks, leva 3 guitarrinhas!

 

grande hotel O Grande Hotel Budapeste

O que falar deste aqui? Talvez uma definição perfeita pra ele seja “fora do comum”, assim como são quase todos os outros dirigidos por Wes Anderson. Por isso, (é sempre bom avisar, né?) O Grande Hotel Budapeste é daquele tipo de filme que não agrada a todos.

O cenário, a atuação caricata e blasé dos atores, as cenas surreais, o ritmo (de falas e filmagem), a trilha sonora… Tudo, absolutamente tudo, remete ao cinema clássico e ao teatro. E essa riqueza toda de detalhes dá ao longa um tom mais leve que se contrapõe à dureza da época de guerra em que a história se desenrola.

Os personagens principais, M. Gustave (Ralph Fiennes) e o mensageiro Zero (Tony Revolori), foram tão impecáveis em suas interpretações que fiquei apaixonada por eles (de verdade gente, compraria bonequinhos deles, se existissem!).

Enfim, O Grande Hotel Budapeste é um tipo tão peculiar, que é justamente isso que o torna especial. Na escala de 1 a 5 Let´s Rocks, leva 5 guitarrinhas!

 

birdman Birdman

Confesso que resolvi assistir a Birdman por causa da imensa simpatia que nutro pelo diretor Alejandro González Iñárritu, desde seus outros filmes: Biutiful, Babel e Amores Perros. E fiquei extasiada!

Birdman traz Michael Keaton, (dizem que interpretando uma paródia de si mesmo) absoluto no papel principal de um ator decadente tentando reviver seus dias de glória.

As tomadas sem cortes, acompanhadas do som da bateria, imprimem um ritmo de urgência e parecem colocar o expectador quase que correndo atrás dos personagens pelos bastidores do teatro, para acompanhá-los em tempo real.

Uma curiosidade deste filme é que, por causa das tomadas longas, os atores tiveram que interpretar 15 páginas de diálogos em quase 20 minutos ininterruptos de filmagem de uma só vez (impressionante!).

Pra mim, o destaque de Birdman está na maestria do diretor, que fez com que os atores se destacassem igualmente. O que indica o grande trabalho dele, feito também em seus outros longas (quem os viu, vai entender o que estou falando)

Na escala de 1 a 5 Let´s Rocks, leva 5 guitarrinhas e muitas palmas pelo merecido prêmio de Melhor Filme!

Então é isso. Em março volto com mais filmes e comentários. Até lá!

Um guia de dimensões para imagens em mídias sociais


social-media-488886_640

 

Uma dúvida constante de quem cria conteúdo para mídias sociais é a dimensão correta das imagens que serão utilizadas. Pensando nisso, o site Covershub.net criou um infográfico atualizado com todas as dimensões de imagens para as principais mídias sociais. O material foi criado para servir como referência única para quem precisa criar as imagens e não pode errar as proporções, desde fotos de capa, perfil até às imagens que aparecem em thumbnails de links. O infográfico foi feito no começo deste ano e tem as proporções mais recentes utilizadas em cada uma das mídias. Confira e use quando precisar:

Surpresa ou simplicidade, você escolhe


LG_wedding

Estratégia da LG para fugir do Skip

Em mídias sociais, fazer o trivial pode gerar resultados, se houver grana na parada. Mesmo com investimento alto, nem sempre o objetivo é atendido. Há muitas variáveis que não estão sob o nosso comando – como algoritmos das plataformas, ações ágeis da concorrência e até o estado de espírito do usuário naquele dia, naquele momento. Mudanças repentinas também têm pego os geradores de conteúdo de calças curtas.

Mas, e aí? O que fazer?

Ser criativo, inovador, observador e – como bem diz o Walter Longo, VP de Criação da Young,  – aplicar continuamente o ROL (Return On Learning) e não se deixar cegar pelo ROI.

A LG parece ter acertado no filme Who ruined Jenny’s wedding?, desenvolvido para o canal da marca no YouTube. Publicado no final de janeiro, o curta já recebeu quase 4 milhões de views. A estratégia para fugir do skip foi mostrar balões de tinta estourando sobre um casamento ao ar livre, logo nos primeiros 4 segundos. Parece o Holi Festival num casamento de Downton Abey. A trama se desenvolve em descobrir quem arruinou a celebração do matrimônio. A marca aparece numa espécie de merchandising dela mesma. É longo, tem mais de 6 minutos e eu fiquei até o final para ver quem era o culpado. Tem até uma espécie de Sherlock e Watson.

Em nosso dia a dia, nem sempre temos ideias inusitadas e budget para executá-las. Porém, o tal do ROL realmente traz grandes resultados. Aqui na Agência Cadaris, por exemplo, recebemos inúmeros pedidos de publicação de fotos de bebês na fan page de Bebê Natureza da Biotropic. Porém, pegar as fotos e entupir a linha do tempo não é solução.

Precisávamos acolher as consumidoras de forma coerente com nossa estratégia de social media, gerando valor e sem a burocracia do concurso cultural. Lembrando dos ensinamentos de Obvious Adams de Upedegraf, desenvolvemos uma ação simples, curta e rápida. Trabalhamos a ação só para os fãs de Bebê Natureza. As fotos compuseram um álbum de carnaval, que foi incorporado na pauta da fan page para esta data comemorativa. Foi um sucesso! Tudo dentro do planejamento mensal, sem custo adicional. O resultado foi um novo recorde de engajamento orgânico.

E de quebra, conseguimos envolver na ação todas as pessoas que compram presentes para o bebê: avós, tios, tias e amigas das mães. Tivemos, assim, a oportunidade de apresentar a marca, seus produtos e kits presenciáveis a novos consumidores.

Alguns chamariam isso de geração de leads. Eu prefiro construção de histórias.

Álbum de Carnaval - Fan page Bebê Natureza

Álbum de Carnaval – Fan page Bebê Natureza

 

Links úteis

Comercial da LG no YouTube - http://youtu.be/gNhyqlReYx0

Fan Page de Bebê Natureza - https://www.facebook.com/BebeNatureza

PDF do livro Obvious Adams - http://lcweb2.loc.gov/service/gdc/scd0001/2006/20060721003ob/20060721003ob.pdf

 

 

 

Imagem é que o interessa


insta 3

O Instagram não é só mais uma rede social. Assim como todas as outras, esta mídia pede que seus usuários sigam alguns princípios para que ela seja realmente funcional.

Assim como seu próprio nome já diz, a ideia principal é registrar instantes. Portanto, fotos muito produzidas, imagens sem autoria do usuário e os tão famosos memes não são as melhores escolhas para contas no Instagram. É simples: uma rede para compartilhar momentos por meio de fotos (e mini vídeos!) registrados pelo seu smartphone. O conteúdo pode até ser produzido de outra forma, mas o ideal é que não saia do foco.

Eu, por exemplo, gosto de seguir fotógrafos. Eles costumam ter habilidades incríveis para fazer fotos com câmeras de smartphones. E geralmente conseguem mostrar um lado que não estamos acostumados a ver nas coisas, nos lugares e nas pessoas. Acho que é esse o lado interessante do Instagram. Ver o que as pessoas estão vendo e conseguir compartilhar um pouco das sensações que aqueles momentos proporcionam a elas.

Veja algumas dicas:

Seja criativo: A imagem é o principal foco nesta mídia. Portanto é preciso encontrar meios de fazer com que a sua imagem chame a atenção dos usuários e faça-os se interessar por seguir o perfil. No geral, nem é preciso muito esforço. Basta momentos interessantes, detalhes e lugares que você gostaria de mostrar e que as outras pessoas gostariam de ver.

Qualidade de imagem: Produzir fotos bonitas sempre é importante em qualquer mídia social. No Instagram, muito mais. As pessoas que usam esta rede querem ver coisas novas, bonitas, interessantes e até capazes de transmitir sensações. Abuse dos filtros, molduras e efeitos que a própria ferramenta disponibiliza. Aqui não é pecado.

Utilize hashtags: Identifique as que tenham relação com o seu perfil e comece a usá-las. Em caso de marcas, por exemplo, vale repeti-las nas publicações para gerar engajamento. Este recurso ajuda a ter certo controle do alcance que o seu perfil tem e também gera interação. Mas é bom não exagerar. Tente no máximo quatro hashtags de uma vez.

Dê vida ao perfil: É importante compartilhar coisas reais no Instagram. Pessoas gosta de ver bastidores e detalhes que nem sempre ficam evidentes. Quando se trata de uma marca, colocar fotos da equipe, dos processos de produção, etc, pode ser uma boa estratégia. Todo mundo gosta de saber como são montadas as campanhas, por exemplo.

Photoshop completa 25 anos!


photoshop-25-anos-criatividade

Ontem foi o dia da ferramenta que simplesmente domina o mundo criativo completar 25 anos. E para celebrar este quarto século de existência foi criado uma campanha intitulada Dream On, que terá sua grande estreia durante a transmissão do Oscar, no domingo, 22 de fevereiro.

As novidades para o aniversário não param por aí! A gigante Adobe também vai dar uma oportunidade aos artistas mais criativos (menores de 25) que utilizam o programa, colocando-os em comando da conta oficial do Instagram. A conta se transformará em uma vitrine para expor os seus trabalhos durante duas semanas (para participar, basta colocar a tag ‘Ps25Under25’ nos trabalhos no behance).

Enquanto a maioria das ferramentas resiste somente alguns anos, antes de ser comprada por uma  gigante, esta soube sobressair-se e reinar durante todo esse tempo. Isso sim é uma grande conquista!

 

Fonte: Comunicadores

Teoria da Mudança: já ouviu falar?


A Teoria da Mudança (Theory of Change) é uma metodologia de planejamento, participação e evolução bastante utilizada em instituições filantrópicas, governamentais e não lucrativas ao redor do mundo, geralmente em projetos sociais ou comunitários. Basicamente, trata-se de uma abordagem sistemática para  planejar a realização de uma tarefa importante. A ideia é começar com uma meta simples e alcançável, algo que possa ser resumido em uma frase simples e concreta, como “Quero aprender a fazer pão” ou “Quero aprender a usar a crase perfeitamente em qualquer texto”.

A partir do momento que você define sua meta, você passa para o próximo passo: listar as etapas necessárias para atingir seu objetivo. Assim como sua meta final, as etapas devem ser divididas em frases concretas, objetivas e, principalmente, que contenham ações que podem ser realizadas, como “Comprar uma boa gramática” ou “Assistir a aulas on-line sobre o uso da crase”.

Mas o que faz a Teoria da Mudança ser diferente de outras ferramentas ou estratégias de produtividade, como os Mapas Mentais? Simplificando, o que a torna diferente é sua natureza hierárquica. A ideia de fazer algo passo a passo, do mais simples ao mais difícil, ou do mais atingível ao mais inatingível, trilha um caminho direto e palpável para alcançar as metas traçadas.

Isso pode ser muito útil se aplicado à rotina individual, tanto para a vida pessoal quanto para a carreira ou talvez até para uma equipe de trabalho. Cada passo em direção à mudança maior é baseado em um resultado esperado, que é racionalizado e explicado a cada etapa. Para que a Teoria da Mudança realmente funcione, é preciso entender o porquê de cada passo ter um resultado que fará o próximo passo ser possível.

Basicamente, os passos consistem em causa e consequência, passo a passo até chegar ao objetivo final. Esse entendimento permite que sejam avaliadas todas as opções e que se escolha a que mais pode funcionar. Com esta flexibilidade, é possível perceber múltiplos caminhos a seguir e, claro, optar pelo que mais se adapta a cada realidade e a cada perfil pessoal.

A maioria dos planos baseados na Teoria Da Mudança são feitos com papel e caneta. Muitas pessoas ainda se dão bem com essa forma “antiga” de se organizar. Mas é possível encontrar ferramentas on-line para ajudar a formular sua própria lista de mudanças. É o caso do whatleads.to, um site que permite a criação de planos de diversas formas, inclusive colaborativos.

Apesar de eu ser uma adepta do bom e velho caderninho, resolvi tentar usar a ferramenta, que é toda em inglês. Fiz um plano breve para algo que é uma das minhas maiores metas de vida: conseguir habilidades perfeitas de escrita.

theory

Foi interessante ver por escrito e com mais organização algo que tenho tentado colocar em prática. As metas e sub-metas estabelecidas podem ser privadas ou públicas, sendo que  estas últimas ficam abertas para a contribuição de outros usuários autorizados a interagir com o perfil que criou a meta. 

É claro que a Teoria da Mudança é muito mais profunda e complexa que isso, mas utilizar seus princípios pode ser muito proveitoso para quem procura uma forma prática de entender e organizar melhor seus planos. Para quem se interessou pelo tema, há muito material disponível em livros e na internet. Em especial, o site oficial do Center for Theory of Change (em inglês).

Fontes: Wikipedia, Make Use Of, site Center for Theory of Change.

Guia para curtir o Carnaval em SP


carnaval-de-rua-2

O ano mal começou e já é Carnaval! Sabe, estou super surpresa com o tanto de gente que eu conheço que vai ficar em São Paulo e curtir a folia com o que a cidade tem a oferecer. E, vamos combinar, opções de diversão por aqui não faltam, né? Dá pra aproveitar os blocos de Carnaval de rua, colocar o cinema em dia, comer sem pressa, conhecer lugares novos etc.

Tentei selecionar o que vai rolar de bacana na cidade durante esse feriadão. Confira  a seguir e programe-se!

Pra cair na folia

Baile da Batata

O Largo da Batata recebe uma programação pra lá de especial nesse Carnaval, de 14 à 17 de fevereiro, promovido pela Secretaria da Cultura de SP. A Banda Glória é a residente do evento, recebendo os artistas Elza Soares, Baby do Brasil, Pepeu Gomes e Maria Alcina. Além deles, tem também os blocos mais bonitos da cidade. Perdeu todo o esquento vendo a banda passar? Pronto, agora dá para correr e entrar na folia com seu bloco favorito.

Bloco Afro Ilú Obá de Min

A cantora Roberta Oliveira & O Bando de Lá se reúnem nessa sexta-feira para ocupar o Viaduto do Chá. O bloco fica por lá mesmo. Espere samba da paulicéia e samba de terreiro.

Pra cair na pista

Submission

Uma ótima alternativa para quem quiser fugir do samba e do axé neste sábado, dia 14,a partir das 23h30. Quem põe fogo na pista do Lions Nightclub nesta deliciosa festa que mistura o Twerk, o Trap, Ghetto Tech, Footwork e o Future Beats são os DJs Trusty Sp, h∆Ze,  Molotov e Redineas.

Baile de Carnaval analógicodigital 2015

Noites Trabalho Sujo, que tem por trás o quarteto fantástico Alexandre Matias, Babee, Danilo Cabral e Luiz Pattoli, apresenta Awe Mariah com Helo Lupinacci, Fe Pappalardo, Santarosa Barreto, Mariana Gouveia e Lu Federman, Veneno Soundsystem  com Maurício Fleury, Peba Tropikal e Veneno Soundsystem. Acontece dia 17/02, a partir das 23h.

Pra se inspirar

Jessica Lange: fotógrafa

O MIS apresenta, até 5/04, a obra da atriz americana que chegou ao Brasil para mostrar um lado artístico seu pouco conhecido por essas bandas. Sua mostra traz 135 fotografias dela feitas nos últimos 20 anos, e fazem parte de duas séries: ‘Coisas que eu vejo’ e ‘México’. É a primeira vez que o trabalho dela chega à América Latina, tendo passado antes pelos Estados Unidos, Portugal, Espanha e Rússia.

Pinacoteca

A exposição do australiano Ron Mueck tem atraído filas quilométricas para o museu na Luz. Talvez o Carnaval seja uma boa época para pegar menos fila e ver as esculturas hiper-realistas gigantes, antes do final da exposição no dia 22. Mas a Pinacoteca tem muito a oferecer fora isso. O paisagista Roberto Burle Marx tem 80 obras expostas na mostra ‘Uma Vontade de Beleza’, o fotógrafo Cristiano Mascaro apresenta 40 fotos dos anos 70 em ‘Bom Retiro e Luz’, e uma seleção incrível de 50 peças do acervo da Estação Pinacoteca estão reunidos em ‘Uma História do Modernismo’, com Volpi e Tarsila, entre outros.

Pra assistir

Clássicos no Cinemark

Desde o fim de janeiro, a rede Cinemark voltou com uma programação especial que fez muito sucesso em 2014. O ‘Clássicos no Cinemark’ apresenta toda semana um filme em três horários fixos, com tarifa reduzida: R$14 a inteira. Na semana do Carnaval, dá para conferir ‘Rastros de Ódio’, de John Ford, de 1956. Na semana que vem tem ‘O Iluminado’ do Kubrick, e na outra, ‘De Volta para o Futuro’. Aproveita que pode ser a última chance de ver esses super clássicos na telona.

Nick Cave – 20.000 Dias na Terra

 ‘Nick Cave – 20.000 Dias na Terra’, documentário que celebra o espírito criativo do escritor, cantor e compositor australiano líder da banda Nick Cave & The Bad Seeds. A produção inglesa tem direção de Iain Forsyth e Jane Pollard. Um vislumbre da mente de Nick Cave, compositor lendário, estrela do rock e líder da banda The Bad Seeds. O filme acompanha Cave por um dia fictício, entre o real e o imaginário, uma chance única de conhecer o processo criativo de um dos músicos mais inventivos de nosso tempo.

Pra tomar um brunch

Emiliano

Já que não gastou viajando no carnaval, que tal investir um pouco num bom e merecido brunch? O preço é fixo e pode-se pedir qualquer item de mais de 20 do cardápio entre couvert e prato principal, fora os seis diferentes tipos de sobremesas. E, claro, a taça de champagne para abrir o apetite. Emiliano – Rua Oscar Freire, 384 – Jardim Paulista. Sábado e domingo, das 12 às 16h

Patisserie Douce France

É um lugar em tanto para um café da manhã (ou brunch) nos finais de semana. Eles não tem um menu específico para brunch, mas tem várias opções para você montar o seu do jeito que quiser. Tudo é na medida certa, mas se quiser ir além, eles têm uma variedade de doces deliciosos, como os pães de chocolates que são de comer de joelho e o macarons que são saborosos. Ainda dá para terminar com sorvete. Endereço:  Alameda Jaú, 550 – Jardim Paulista. Segunda à domingo, das 8 às 20h

Pra comer

Comedoria Gonzales

A nova sensação da cidade em termos de ceviche é esse lugar totalmente despretensioso dentro do Mercadão de Pinheiros. A Comedoria é do chef boliviano Checho Gonzalez, e um dos criadores do evento O Mercado, junto com Henrique Fogaça. Além do preço de encher os olhos, quem experimenta a iguaria peruana diz que é talvez a melhor de SP, talvez por não ser tão ácido como estamos acostumados. Mas quem quiser provar outras coisas, pode escolher entre o galeto, ochicharrón (costelinha) e as saborosas salteñas. E de sobremesa o tres leches, única opção, mas imperdível.

 

 

Fonte: UOL (chicken or pasta)

 

 

 

Desapego, o melhor amigo da literatura


26102

Responda rápido: você tem algum livro parado em casa? Algum que você já tenha lido ou que não queira ler e está na prateleira há meses ou até anos? Muito provavelmente tem sim, talvez até mais de um. Com certeza muitas pessoas que você conhece também têm estantes cheias de livros que servem apenas para juntar poeira. A mania de acumular objetos é comum e talvez a melhor solução seja passá-los adiante, pois eles podem fazer a diferença na vida de outras pessoas. Especialmente se eles forem livros.

No final do ano passado eu, que tenho uma dessas estantes abarrotadas de livros, resolvi desapegar. Fiz uma lista longa de obras que já não serviam para nada além de ocupar espaço na minha casa. Livros e filmes bons, alguns novos ou semi-novos, mas que na minha vida já tinham cumprido seu papel. Mostrei essa lista para meus amigos e também para colegas aqui da Cadaris e perguntei se alguém queria. Simples assim. Se alguém quisesse me dar em troca algum outro que me interessasse, ótimo. Se não tivesse, sem problemas. Doei os livros com a maior alegria do mundo.

Nessa brincadeira, até ganhei alguns livros legais, mas o mais importante foi a sensação de passar algo de bom adiante. Em breve, inclusive, quero fazer isso de novo e, se possível, envolver mais pessoas. A parte mais engraçada, no meu caso, é que antes eu era o tipo de pessoa que não gostava nem de emprestar livros. Agora, dependendo do livro e do momento, dou de presente.

Para quem quer começar a ter uma relação diferente com a literatura, uma boa dica é o encontro para troca de livros que acontecerá no dia 29 de março, perto do metrô Vila Madalena. A proposta do evento é “libertar” bons livros e, com isso, proporcionar para outras pessoas as boas experiências que seus donos tiveram com eles. E aí, que tal desapegar?

Leituras essenciais para quem trabalha com mídias digitais


Livros

As regras no mundo das mídias digitais mudam tão rápido, não é? Tanto que, às vezes, mesmo que trabalha com esse universo acaba ficando perdido. Vira e mexe, o Facebook altera os termos de privacidade, o Twitter lança novos recursos etc.

Mas isso não quer dizer que algumas ideias, técnicas e pensamentos sobre esse mercado sejam igualmente descartáveis e substituídos. Pensando nisso, listamos abaixo dicas de leituras que são essenciais para quem trabalha com mídias digitais.

Engage – Brian Solis

Solis é considerado um chato. Mas, espera. Não desanime da leitura por causa disso. Ele foi um dos primeiros a falar de forma clara, conclusiva e bastante técnica sobre engajamento. Acreditem, houve uma época em que marcas e empresas faziam o que queria e não dialogavam com seus consumidores. E olha que o livro é de 2010 e não do período cretáceo. O livro é simples, fácil de ler e cheio de exemplos.

Marketing na Era Digital – Martha Gabriel

Esse já pode ser considerado um clássico, embora seja, também, de 2010. Como o subtítulo do livro diz, a obra fala sobre “conceitos, plataformas e estratégias”. Então, traz um conteúdo bastante básico e completo. Se você for escolher apenas um dos livros desta lista, escolha este. Fora que quem não conhece Martha e seu trabalho só pode ser de outro planeta. Ela é uma das estudiosas mais importantes deste mercado.

A Bíblia do Marketing Digital – Cláudio Torres

O título já diz tudo, não é mesmo? O livro é do tipo “vamos começar pelo começo” e faz isso muito bem. Traz vários conceitos do marketing digital e de conteúdo, fala sobre mídias sociais, email marketing, publicidade online, SEO, AdWords, entre outros. O leitor ainda recebe alguns guias básicos de planejamento no final do livro.

Google Marketing – Conrado Adolpho

Assim como Solis, a abordagem de Adolpho é meio boring, mas como ele é referência brasileira quando o assunto é SEO, vale a pena ler este livro. Se o que você procura é uma obra básica e completa sobre tudo de marketing relacionado ao Google, acabou de achá-la.

Facebook Marketing – Camila Porto

Camila é considerada uma das maiores especialistas em Facebook no Brasil então, qualquer profissional que queira dominar a ferramenta, tem que começar por este livro aqui. A obra mostra recursos e técnicas para quem quer usar o Facebook para gerar negócios.

A Startup Enxuta – Eric Ries

Empreendedores do mundo inteiro têm a oportunidade de tirar projetos da gaveta para transformá-las em grandes negócios. E investidores e grandes empresas estão sempre de olho nestas novidades que, de uma hora para outra, podem virar uma ideia bilionária.  Esse livro é essencial para quem está montando este tipo de negócio.

Marketing 3.0 – Philip Kotler

Nenhuma lista que fale sobre marketing neste planeta estaria completa sem Kotler. O especialista é um dos maiores nomes mundiais nesta área e já lançou mais de 55 livros sobre o assunto. Nesta obra, Kotler fala sobre como o marketing deve ser voltado não para a empresa ou mercado, mas para as pessoas. É uma obra otimista, que fala como ações positivas e em sintonia com as emoções e valores dos seres humanos são importantes para um marketing do bem.

Cultura de Convergência – Henry Jenkins

Esse é o livro essencial para quem quer discutir conteúdo colaborativo, jornalismo e comunicação nas “novas mídias” e a relação entre público e meios de entretenimento e notícias.

A Cauda Longa – Chris Anderson

A ideia de que os nichos seriam cada vez mais importantes nas comunicações e no mercado começou com um artigo de Anderson para a revista Wired, que depois virou este livro. A obra é um golpe na, até recentemente tão falada, cultura de massas. As massas ainda existem, mas a grande força, daqui em diante, está nos nichos, grupos menores de pessoas interessadas em assuntos e produtos específicos. As mídias digitais são uma cauda extremamente longa.

O Manifesto Cluetrain – Rick Levine, Christopher Locke, Doc Searls e David Weinberger

E por último, talvez o mais antigo e essencial de todos! O manifesto é um livrinho pequeno contendo 95 teses. A ideia é conclamar empresas e meios de comunicação do mundo que havia acabado de descobrir a Internet (o livro é de 1999) a usarem a novidade para realmente se conectar com as pessoas de forma humana. É genial, divertido, e pode ser baixado de graça aqui.

Fonte: Digaí

Gerenciador de negócios do Facebook


gerenciador_facebook

A partir de 16 de fevereiro, todas as contas comerciais do Facebook serão automaticamente migradas para o Gerenciador de Negócios. Quando se trata desta plataforma, nunca se sabe o que pode acontecer. Por isso, é recomendado fazer a migração antes desta data.

O objetivo é manter separadas a vida pessoal e profissional dos usuários que administram páginas, além de aumentar a produtividade e o controle sobre a administração de conteúdo e anúncios.

Toda mudança, em especial quando envolve tecnologia, causa trabalho extra e adaptação. Mas, neste caso, faz-se valer o ditado: “há males que vem para o bem”.


O que muda?

Sob a ótica de negócios, tudo… Agora é um só cockpit para criar e gerenciar anúncios e páginas. Mas, calma. O gerenciador de anúncios, incluindo o Power Editor, permanece o mesmo. O agendamento de publicações também não sofreu alterações.

Antes, era preciso logar e deslogar para alterar o uso por conta comercial; ou adicionar como anunciantes, administradores, editores e analistas os perfis pessoais dos funcionários atuantes em mídias sociais. Agora, tudo é feito por meio do e-mail de trabalho, num só cockpit. Ficou bem melhor.

cockpit_novo

Um só dashboard para todas as contas e páginas

Gerenciador de Anúncios permanece igual

Gerenciador de Anúncios permanece igual

 

Benefícios

  • Maior organização de informações.
  • Navegação mais ágil.
  • Um só login para todas as contas comerciais.
  • Mais facilidade para criar contas de anúncios.
  • Separação de contas, páginas e pessoas em projetos (substitui os rótulos).
  • Um só dashboard para todas as contas de anúncio e páginas.
  • Possibilidade de atribuição de agência por conta/ página.
  • Melhor gerenciamento de pessoas.
  • Gerenciamento de páginas pelo e-mail de trabalho.
  • Separação da conta pessoal dos administradores, editores e anunciantes das páginas.

Como configurar

Acesse a página do Facebook para negócios, coloque o e-mail de acesso de sua conta comercial e siga o passo a passo do guia lateral da ferramenta. Não tem como errar, é só seguir a seta azul.

 

Links úteis

Vídeos explicativos do Facebook

Sobre a migração

Sobre o Gerenciador de Negócios

 

Aulas sobre o assunto – Introdução Digital TV – por Bruno Marinho

Visão geral

Passo a passo